Quem sou eu

Minha foto
Siga no Twitter @sergiorosa67; Bacharel em Teologia pelo Seminário Batista do Sul; Graduado em Ciências Contábeis; Pós-Graduado em Controladoria e Finanças pela Universidade Federal Fluminense; Mestre em teologia pelo Seminário Batista do Nordeste; Graduado em Liderança Avançada pelo Instituto Haggai. Sócio-gerente da Empresa Conecta América Brasil - Representação Comercial e Vice-presidente da Sociedade Batista Patrimonial - Fluminense.

domingo, 22 de maio de 2011

Febe de Cencréia um modelo para esta geração

“1 Com esta carta quero apresentar-lhes Febe, nossa irmã, diaconisa da igreja de Cencréia. 2 Por favor, ofereçam-lhe uma recepção cristã e qualquer ajuda que venha a necessitar em seu trabalho. Ela mesma tem sido de grande ajuda a muitos, incluindo a mim.” (Rm 16.1-2)
A Epístola de Romanos é uma obra literária sem igual. Foi através dela que Martinho Lutero experimentou a salvação e conheceu a maravilhosa graça de Jesus. O último capítulo desta epístola nos reserva entrelinhas incríveis escondidas por detrás das saudações de Paulo. Os dois primeiros versos será o foco de nossa meditação, eles apresentam de maneira bem sucinta uma mulher extraordinária, Febe de Cencréia.
Primeiro deixe-me falar sobre a igreja e o porto de Cencréia: Cencréia, hoje é uma pequena aldeia de nome Kechriais. Ela ficava acerca de sete, doze, treze ou catorze quilômetros de Corinto, como eu não fui lá para medir, tenho que me contentar com as divergências dos autores que não concordam entre si na distância. Naquele lugar encontrava-se o Porto da Cidade. Sobre a igreja de Cencréia não temos muitos dados, ela era possivelmente uma filha de Corinto e havia, portanto uma íntima comunhão entre os irmãos destas duas igrejas.
Sobre Febe, as informações também são bem poucas: Sabemos que possivelmente ela foi a portadora desta epístola. Ao falar a respeito dela Paulo diz: “ela tem sido o amparo de muitos” – protetora de muitos. Como “ajudadora”, embora, no grego, essa palavra signifique “patrocinadora”. Tal termo era utilizado para algum “representante legal” do governo romano. A idéia aqui ao falar sobre Febe, é demonstrar que ela havia ajudado e protegido a crentes mais fracos, ensinando-os e provendo-lhes suas necessidades físicas.  Também havia cuidado de enfermos e ajudando a mulheres crentes em seu trabalho na igreja. Tendo sido assim de grande ajuda para outros crentes, se fazia merecedora da ajuda da igreja cristã inteira, em qualquer localidade onde se encontrasse em suas andanças. A palavra “patrocinadora” indica que Febe havia utilizado os seus recursos materiais, a fim de servir à igreja cristã que se esforçava por medrar em diversos localidades, sobretudo em sua localidade de Cencréia. O mínimo que se poderia fazer agora por esta mulher tão maravilhosa é preparar uma recepção cristã digna de alguém tão especial.
De acordo com o Comentário Hebraico do Novo Testamento, ela foi chamada shammash, a pessoa que cuida das tarefas práticas do dia-a-dia relacionadas ao andamento de uma sinagoga. O equivalente no grego é diakonos, que pode ser entendido aqui com o sentido de “servo” ou “obreiro” em um sentido geral, como normalmente é o caso no Novo Testamento. Mas há uma boa razão para pensar que, neste exemplo, é um termo técnico que indica alguém ordenado para um oficio reconhecido na congregação e cujo dever é cuidar de suas questões práticas, como em At 6:6.
Deve-se notar não só que esta mulher ocupava um oficio importante na congregação de Cencréia, mas que o termo diakonos é uma forma masculina, e não feminina. Febe era um “diácono”, e não uma “diaconisa” (como algumas versões em português traduzem o termo). No texto de 1 Tm 3:8-13 temos as qualificações de um shammash. Isto quer dizer que Febe, para ser reconhecida como diaconiza tinha todos estes atributos.
Em um tempo em que as mulheres não tinham muita expressão, Febe é uma mulher que se destaca em seu tempo, sendo, portanto digna de ser mencionada de maneira tão surpreendente nesta carta. Ela marcou a sua geração com o seu serviço em favor do outro, desta forma o próprio apóstolo Paulo se encarrega de escrever ao seu respeito enviando uma solicitação de amparo e apoio aos seus serviços.

O que marca esta mulher a ponto dela tornar-se tão especial?

1. Sua disposição em romper com as barreiras de sua época

Febe viveu em um mundo completamente diferente do nosso. Naquela época a mulher apresentava convencionalmente uma postura bem diferente da mulher atual. Primeiro que na maioria dos lugares ela não poderia se auto-representar, precisaria de um marido ou parente para fazê-lo, segundo não poderia ter propriedades e não poderia manifestar-se em público, e em muitas sinagogas não poderia expressar-se. Esta não era regra geral para todos os lugares, mas valia em muitos deles. Alguém talvez chame isto de preconceito, eu diria que se tratava de um costume de época. Vivemos em um mundo pós-moderno onde a mulher tem uma postura bem diferente. Para entender bem a grandeza de Febe é preciso olhar para a sua época e pensar o quanto ela teve que lutar e tudo o que ela teve que enfrentar para ser reconhecida como diácono de sua igreja.
Dr. Martin Luther Küng, pastor batista norte-americano é um grande exemplo de romper barreiras, em 1963 King conseguiu que mais de 200.000 pessoas marchassem com ele pleiteando o fim da segregação racial em Washington. As leis segregacionistas humilhavam os negros colocando-os em posição de inferioridade diante dos brancos. A luta de King levou os negros a conquistarem a posição de igualdade.

Se queremos vencer em alguma área, temos que ter a disposição de romper com as barreiras que se põe diante de nós. Talvez quebrar paradigmas que dizem que não podemos, e até mesmo lutar contra leis injustas, se for preciso. Stº Agostinho disse: “uma lei injusta não é uma lei” portanto não deve ser obedecida. A partir do pensameno agostiniano, King assumiu a postura de romper a barreira da própria lei, de maneira não-violenta, para socorrer ao seu povo.
Quais são as barreiras que você precisa vencer? Não se dê por vencido diante de uma situação que aparentemente não tem solução. Afinal de contas, cremos em um Deus do impossível, Ele te ajudará se a tua causa for sincera e os seus princípios justos.
2. Sua disposição em servir

O apóstolo Paulo nos impressiona quando diz que ‘Ela mesma tem sido de grande ajuda a muitos, incluindo a mim’. Febe foi uma mulher que marcou a sua geração com a sua disponibilidade em servir. Enquanto diácono da igreja de Cencréia, realizou um trabalho digno de receber destaque na Epístola aos Romanos. Ela colocou não somente a sua vida, mas seus bens no amparo àquele que tinham necessidades reais.
Madre Tereza de Calcutá uma freira católica é uma mulher que ficou conhecida pelo seu serviço. Impressionada com os problemas sociais da Índia, que se refletiam nas condições de vida das crianças, mulheres e velhos que viviam na rua e em absoluta miséria. Começou a sua atividade reunindo algumas crianças, a quem começou a ensinar o alfabeto e as regras de higiene. A sua tarefa diária centrava-se na angariação de donativos e na difusão da palavra de alento e de confiança em Deus. A partir de 1950 empenhou-se em auxiliar os doentes com lepra. Um de seus pensamentos era este: “Não usemos bombas nem armas para conquistar o mundo. Usemos o amor e a compaixão. A paz começa com um sorriso”.
A disposição em servir deve ser uma característica comum na vida daquele que já se encontrou com Cristo. Ele ensinou que deveríamos fazer o mesmo que ele fez sobre tudo em amor ao próximo, isto é ao nosso semelhante, a quem precisa. Sabemos o quanto é difícil em um mundo capitalista ajudar ao outro. Mas, tenha o mundo o modelo econômico ou político que tiver, a palavra de Jesus continua a mesma. Devemos servir a quem realmente necessita.
Febe nos ensina que quando cumprimos os princípios de Jesus, servindo ao próximo, não tem como este detalhe passar despercebido por Deus. Eu fico imaginando como o apóstolo Paulo foi achar esta mulher em uma pequena igreja nos arredores de Corinto, e ainda dar um lugar de destaque em sua Epístola para uma igreja tão grande como a de Roma, eternizando assim o seu nome na história cristã.
Penso que o cristianismo tem sido ofuscado pelos valores do pós-modernismo. Cristãos pós-modernos tem esquecido dos princípios de Jesus e tem procurado seguir outros princípios. Talvez seja a hora de voltar na contra-mão do mundo e redescobrir o evangelho nas palavras e ações de Jesus.

3. Sua disposição em testemunhar o evangelho através das obras

As obras de Febe falavam mais alto que as suas palavras, suas ações ecoavam mais forte do que o ribombar dos trovões e suas atitudes lhe davam autoridade acima de qualquer título, a sua credencial era confirmada por quem ela era e o que fazia.

Um grande pequeno homem que marcou a sua geração foi Mahatma Gandhi. Gandhi estudou direito na Inglaterra, e passou um ano na África do Sul onde deparou-se com uma grande discriminação racial, o que fez despertar a sua consciência social. Gandhi acabou permanecendo vinte anos na África do Sul defendendo a minoria hindu, liderando a luta de seu povo pelos seus direitos. Em novembro de 1913 Gandhi conduziu uma marcha com mais de duas mil pessoas. Gandhi foi preso e solto após pagar fiança. Alguns missionários Cristãos doaram todo seu dinheiro para libertá-lo. De volta a Índia em 1915, Gandhi passou a exercer o papel de conscientizador da sociedade hindu e muçulmana na luta pacífica pela independência indiana, baseada no uso da não violência. Em 1938 ele exortou os judeus para defender os direitos deles e se necessário morrer como mártires.
Gandhi nunca converteu-se ao cristianismo, mas, poucas pessoas seguiram tão bem os passos de Jesus como ele. Certa vez quando abordado sobre o assunto ele disse: “Amo a Cristo, mas, não suporto cristãos”. Isto por que ele observara que a maioria dos cristãos não evidenciava em suas vidas o evangelho de Cristo.
Como o apóstolo Paulo declara você é chamado para exalar o bom perfume de Cristo, isto será feito através do seu testemunho a respeito de Cristo, não por palavras, mas por atitude.

4. Sua disposição em encarar e superar novos desafios

A epístola de Romanos foi escrita por Paulo dirigida à Igreja de Roma. Isto quer dizer que o trabalho de Febe não ficava restrito à sua pequena igreja local, ela viajava para outras localidades a fim de encarar desafios maiores. O fato de ser uma mulher em uma época bastante difícil para as mulheres não a conteve. Quantos homens tinham a liberdade e poderiam ter feito o mesmo ou mais do que ela e não fez. Febe superou os seus limites e encarou novos desafios. Sua posição desconfortante não limitou a sua ação.
A paraolimpíada para mim é um grande exemplo de superação de novos desafios. Até então era impensável que uma pessoa que não tem todos os seus membros perfeitos poderia participar de uma competição atlética. Estes homens e mulheres provaram que não há limites quando queremos superar barreiras.
Como poderia uma pessoa com problemas nas pernas jogar basquete? Uma pessoa com deficiência nos braços nadar, ou com deficiência nos olhos jogar bola? Tudo é possível ao que crê!
Neste mundo pós-moderno, marcado pela competitividade e a desigualdade, você precisa sair da zona de conforto e encarar a situação. Talvez a sua situação seja de caos, com tudo destruído, sonhos arrasados e sem expectativa de coisas melhores. Se este é o teu caso, não se curve diante da sua situação difícil, você é bem maior do que esta situação, e o Deus que você serve é maior do que tudo o mais.

Conclusão
Febe foi uma mulher extraordinária, alguém que superou os seus limites, marcou o seu tempo e é, portanto, um grande exemplo para nossa geração. A sua disposição em romper com as barreiras de sua época nos deixa a lição de que nada pode nos deter quando decidimos avançar; sua disposição em servir nos leva diretamente para os padrões morais de cristo, nos remetendo de volta para os seus princípios de amor ao próximo; suas obras evidenciavam o caráter de Cristo em sua vida e sua disposição em encarar novos desafios nos desafia a romper com aquilo que nos prende ao nosso mundinho tão pequeno e confortável.
Gostaria de te desafiar a repensar a sua maneira de viver a partir de Febe. A tua vida precisa ser marcada pelo servir. Não servir dando uma esmola ou algo paliativo para um transeunte faminto, mas, realmente assumir um estilo de vida de auxílio, pensado e repensando formas de ajudar no crescimento e desenvolvimento do próximo. Servir é bem maior do que simplesmente ‘dar uma mãozinha’. Servir é ter o caráter de Cristo impresso em cada atitude.
Gostaria de te desafiar a buscar a sua motivação em Febe, uma seguidora de Cristo, e abandonar outros modelos pós-moderno-cristão completamente comprometido com uma geração alienada aos moldes de uma economia capitalista liberal que estimula a individualidade e a acumulação de capital sem se importar com o excluído que não tem oportunidade.
Em fim, gostaria de te desafiar a marcar a tua geração com o servir. Quem sabe se o Senhor não escreverá o teu nome na história afirmando “Ele/a mesma tem sido de grande de grande ajuda a muitos, incluindo a mim.”

Um comentário:

  1. Linda história desta grande mulher de DEUS!! Que eu possa servir aqueles que estão em necessidade..

    ResponderExcluir